Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

PM vai apoiar prefeituras contra aglomerações em praias de SP

Júlia Vieira

Exclusivo para assinantes

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), fez um apelo aos paulistas para que tomem cuidado e tenham “zelo” ao sair de casa durante o feriado estendido de 7 de setembro. Doria ressaltou que cada município tem sua autonomia para estabelecer os limites de visitação às praias, calçadões, parques e praças, mas que a Polícia Militar dará apoio na tarefa de evitar aglomerações.

Ubatuba Foto: Bruna Tiussu/ Estadão

Cidades do litoral norte do Estado solicitaram ajuda ao governador para aumentar a fiscalização durante o feriado da Independência do Brasil. Com a flexibilização da quarentena e aumento da temperatura, as praias ficaram lotadas no último fim de semana. As prefeituras de Caraguatatuba e São Sebastião solicitaram reforço de policiais militares.

Em Caraguatatuba, a fiscalização será focada no “turismo de um dia” com ônibus que chegam com banhistas para passar o dia. A prática ainda não está permitida e quem for pego, será multado, diz a prefeitura. São Sebastião prepara barreiras sanitárias entre as praias vizinhas: Bertioga e Caraguatatuba. Carros com placas de outros municípios serão parados para medição de temperatura, perguntas sobre a covid-19 para os passageiros e desinfecção dos pneus. A Polícia Rodoviária Federal deverá auxiliar na fiscalização.

Ubatuba não irá impor barreiras sanitárias, mas a Guarda Civil Municipal, equipes da secretaria da Fazenda e Vigilância Sanitária irão fiscalizar as praias em conjunto com o reforço da PM. A medida mais rigorosa vem do município de Ilhabela. Equipes irão recepcionar os turistas que quiserem acessar o arquipélago na balsa. Eles terão que assinar um termo de responsabilidade sobre as regras e normas para evitar a disseminação do coronavírus e informar a cidade de origem, o tempo estimado de permanência na ilha e onde ficarão hospedados.

 

Tudo o que sabemos sobre:

praiaJoão Doriacoronavírius