Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Podemos rebate: ‘Tarifa do cheque especial interessa aos pobres ou aos banqueiros?’

Equipe BR Político

Após o presidente Jair Bolsonaro criticar hoje o Podemos pelo fato de o partido contestar no STF a cobrança de tarifa no cheque especial, a agremiação rebateu a contestação do inquilino do Palácio do Planalto com um questionamento. “A quem interessa a ação do Banco Central do governo Bolsonaro de criar a tarifa do cheque especial? Aos pobres ou aos banqueiros?”, escreveu em nota neste sábado, 11. O Podemos reafirma ser contra a cobrança, “independente da sua utilização ou não, como compensação do governo aos bancos, para garantir os ainda elevadíssimos juros de 8% ao mês diante da taxa Selic de 4,5% ao ano no Brasil”, acrescenta. O partido chama a medida de “estelionato retórico”. “Os 8% mensais foram utilizados para não mencionar que continuam a astronômicos 151% ao ano, considerando juros compostos”. Cita ainda exemplos de Portugal e Espanha, cujos juros “não ultrapassam 20% ao ano” há mais de uma década. “Logo, para manter os juros a 151% ao ano, não precisa de nova tarifa. É política de banqueiro para banqueiros do governo”. O Podemos é um dos maiores defensores da Lava Jato que abrigaria o ministro Sérgio Moro, caso o ex-magistrado decida ser candidato presidencial em 2022.

Segundo escreveu Bolsonaro hoje, “cancelar a medida pela via judicial, seria fazer os juros voltarem a subir para 14%, prejudicando os mais pobres e mais endividados”. Como lembra o Broadcast Político, a cobrança da tarifa de 0,25% sobre o valor do cheque especial que ultrapassar R$ 500 reais foi autorizada pelo Conselho Monetário Nacional como forma de compensar instituições financeiras por eventuais perdas surgidas com a limitação dos juros do cheque especial em 8% ao mês, tomada em novembro de 2019. A medida do CMN autoriza bancos a cobrarem a nova tarifa até mesmo dos correntistas que não fizerem uso do cheque especial, o que também vem sendo contestado.

 

Tudo o que sabemos sobre:

cheque especialPodemosJair Bolsonaro