Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Pozzobon: ‘É muito retrocesso em curso’

Marcelo de Moraes

Exclusivo para assinantes

Integrante da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, o procurador Roberson Pozzobon reagiu duramente à possibilidade de o Ministério Público ser retirado das negociações dos acordos de leniência.

“É muito retrocesso em curso. INACREDITÁVEL”, escreveu Pozzobon, nesta sexta-feira, 31, no Twitter.

O procurador Roberson Pozzobon, da Operação Lava Jato. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

“Os maiores acordos de leniência, aqueles que hoje permitem a devolução de BILHÕES para os cofres públicos, a responsabilização dos corruptos mais poderosos do Brasil, foram firmados pelo MINISTÉRIO PÚBLICO”, ressaltou o procurador.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, e o governo federal discutem uma proposta que tiraria o MPF dessas negociações, que passariam a ser trocadas pela CGU e AGU.

“A retirada do Ministério Público, um órgão de Estado e não de governo, cujos integrantes possuem independência funcional assegurada pela Constituição, da negociação e da celebração de acordos de leniência, é uma afronta à racionalidade, à eficiência e aos interesses sociais”, criticou Pozzobon.

Tudo o que sabemos sobre:

Lava JatoRoberson pozzobonMPF