Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Prefeito de SP: ‘Pandemia não é essa marolinha que muitos querem fazer crer’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), lamentou a morte da primeira vítima do coronavírus no País, registrada na Capital paulista, em entrevista à rádio CBN nesta manhã de terça, 16. “Isso mostra a gravidade dessa pandemia, que não é uma marolinha como muitos querem fazer crer”, afirmou ele. Covas não informou quem era a vítima, mas disse que, na noite de ontem, havia a suspeita de uma mulher em tratamento de câncer que veio a falecer. Nesta manhã, o governo estadual informou que a vítima é um homem de 62 anos que estava internado em um hospital particular, com histórico de diabetes, hipertensão e hiperplasia prostática.

O prefeito lamentou a primeira morte de um paciente pelo coronavírus

O prefeito lamentou a primeira morte de um paciente pelo coronavírus Foto: Heloisa Ballarini/Secom SP

Ele também destacou os benefícios do decreto de estado de emergência na cidade, publicado nesta terça no Diário Oficial do município, como a compra de insumos necessários ao combate ao vírus sem passar por trâmites burocráticos longos. “O que muda é que agora a Prefeitura pode tomar medidas administrativas com respaldo nesse decreto, como a requisição de bens e materiais. Se uma empresa estiver querendo vender um produto mais caro, podemos agir para depois pagar por um preço considerado mais justo pela Prefeitura. Poderemos cancelar de eventos com alvará já concedidos”, afirmou. Segundo Covas, a pandemia provocou até agora uma perda de arrecadação para o município de R$ 1,5 bilhão, sem considerar as perdas do setor privado.

A principal negligência com o vírus vem exatamente da principal autoridade do País, o presidente Jair Bolsonaro, que ontem não participou de videoconferência com os países vizinhos para tratar do combate à pandemia e, no domingo, teve contato com centenas de apoiadores em ato a favor do governo, em Brasília, contrariando recomendação do próprio Ministério da Saúde.

Tudo o que sabemos sobre:

Bruno Covascoronavíruspandemia