Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Presidente da Fundação Palmares ataca movimento negro: ‘Escória maldita’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Em meio aos protestos mundiais pela morte de George Floyd durante uma ação da polícia norte-americana, o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, chamou o movimento negro de “escória maldita” que abriga “vagabundos”. A ofensa foi proferida em uma reunião fechada, cujo áudio foi conseguido pelo Estadão. No trecho da gravação em questão, Camargo fala de um suposto furto de celular e insinua que isso foi feito para “prejudica-lo”.

“Eu exonerei três diretores nossos (…). Qualquer um deles pode ter feito isso. Quem poderia? Alguém que quer me prejudicar, invadir esse prédio para me espancar, invadir com a ajuda de gente daqui… O movimento negro, os vagabundos do movimento negro, essa escória maldita”, disse.

Em outra parte da gravação, Camargo ataca as religiões de matriz africana, chama uma mãe de santo de “macumbeira” e diz que não dará mais verbas para terreiros. ““Não vai ter nada para terreiro na Palmares enquanto eu estiver aqui dentro. Nada. Zero. Macumbeiro não vai ter nem um centavo. Eu não vou querer emenda dessa gente aqui. Para promover capoeira? Vai se ferrar”, afirma.

O presidente da Fundação ainda, em meio a muitos palavrões ordena que seus diretores entreguem funcionários esquerdistas. “Vou colocar meta aqui para todos os diretores, cada um entregar um esquerdista. Quem não entregar esquerdista vai sair. É o mínimo que vocês têm que fazer”, avisou. Em nota, Camargo chamou a gravação da reunião de “ilegal” e se disse “em sintonia” com o governo de Jair Bolsonaro.