Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Primeiro escalão do governo tenta explicar posição do presidente

Gustavo Zucchi

Exclusivo para assinantes

Membros do primeiro escalão do governo Bolsonaro passaram o dia tentando alinhar seu posicionamento ao do presidente e explicar qual é a diretriz de governo em relação ao isolamento. A mudança mais expressiva é do ministro da Saúde, Henrique Mandetta. Em coletiva para divulgar os dados diários da pandemia de coronavírus, Mandetta disse que “temos que melhorar esse negócio de quarentena”. “A última quarentena foi em 1917. É normal, faz parte dessa situação, nós errarmos, calibrarmos e fazermos projeções um pouco fora e questionáveis por A, B ou C. A quarentena é um remédio extremamente amargo e duro”, disse o ministro, cuja permanência no cargo chegou a ser questionada após o pronunciamento de Jair Bolsonaro pedindo o fim do isolamento social.

Ministros do governo Bolsonaro

Ministros do governo Bolsonaro Foto: TV Brasil/Reprodução

Outro que tentou alinhar o discurso com as novas diretrizes do presidente ante o aumento dos casos de coronavírus foi o vice-presidente Hamilton Mourão. Disse que, por enquanto, a posição do governo é de isolamento social, mas isso está sendo discutido. “Ontem, o presidente buscou colocar e pode ser que ele tenha se expressado de uma forma, digamos assim, que não foi a melhor. Mas o que ele buscou colocar é a preocupação que todos nós temos é com a segunda onda”, afirmou