Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Procuradoria denuncia Crivella por difamação e propaganda falsa

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A Procuradoria Regional Eleitoral no Rio de Janeiro publicou denuncia nesta sexta-feira, 27, contra a chapa do candidato à reeleição na prefeitura do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), por difamação e propaganda falsa durante a campanha.

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella Foto: Wilton Júnior/Estadão

Em declarações e materiais de propaganda, Crivella divulgou uma série de informações falsas para tentar prejudicar seu adversário, o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM), que lidera as pesquisas com ampla vantagem.

Entre as afirmações falsas feitas pelo prefeito, está a de que Paes é defensor da legalização do aborto, da liberação das drogas e do chamado “kit gay” nas escolas municipais, além de alegar que o PSOL – partido de esquerda que não tem acordo político com o candidato do DEM – assumiria a Secretaria de Educação e apoiaria medidas como as citadas.

Na denúncia, os procuradores pedem que Crivella e a vice, Andréa Firmo (Republicanos), sejam condenados por difamação eleitoral e propaganda falsa.

Duas peças que estão no escopo da denúncia foram protocoladas ontem no Tribunal Regional Eleitoral (TRE/RJ). Uma, a partir de um vídeo gravado pelo prefeito ao lado do deputado federal bolsonarista Otoni de Paula (PSC-RJ), no qual fez as afirmações sobre o PSOL, e panfletos que associavam Paes a temas como o suposto “kit gay” e a liberação das drogas e do aborto – iniciativas que não cabem a prefeituras.

Para a Procuradoria, houve a nítida intenção de espalhar essas alegações como forma de prejudicar a campanha adversária. “Houve a finalidade de ofender sua honra objetiva e influir na formação da vontade do eleitorado e, assim, tentar angariar votos, em plena violação à regularidade e legitimidade do processo eleitoral”, apontam a procuradora regional eleitoral Silvana Batini e a procuradora regional eleitoral substituta Neide Cardoso de Oliveira na denúncia.

Em nota, a campanha de Crivella disse que ainda não foi notificada, mas que “desmentirá” as acusações.