Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Pronunciamento de Bolsonaro deve focar em cloroquina

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

O pronunciamento desta noite de Jair Bolsonaro deve focar no uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19. Bolsonaro vai procurar deixar marcado que foi ele quem primeiro martelou na tecla da eficácia dos medicamentos — eficácia esta ainda bastante parcial e não comprovada por estudos científicos em larga escala.

O presidente Jair Bolsonaro no G-20, onde defendeu o uso da cloroquina no combate ao coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro no G-20, onde defendeu o uso da cloroquina no combate ao coronavírus Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente vai ampliar a narrativa “política” que nos últimos dias vem sendo associada aos medicamentos. Aliados do presidente passaram as últimas semanas fazendo lobby aberto pelo uso em mais larga escala, e em fases iniciais e inclusive para pacientes não internados, dos dois medicamentos. Acontece que eles têm sérios efeitos colaterais, inclusive cardíacos, e só devem ser ministrados com prescrição médica e devem ter o uso supervisionado.

A politização do uso da cloroquina atingiu, inclusive, o coordenador das iniciativas anti-covid-19 do Estado de São Paulo, o infectologista David Uip. Ele passou a ser alvo das milícias digitais bolsonaristas e do próprio presidente, que cobraram se ele utilizou o medicamento em seu próprio tratamento do coronavírus. Vazaram inclusive uma receita de cloroquina, assinada pelo próprio Uip e que seria destinada a ele mesmo, mas que datava de 13 de março, quando o teste positivo do médico só foi feito no dia 23.

Uip repudiou o uso de seu nome na guerra política por parte de Bolsonaro, em entrevista coletiva nesta tarde. O governador João Doria Jr. e o próprio Uip lançaram uma versão segundo a qual foi o médico paulista quem recomendou ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o uso da cloroquina em hospitais. As declarações provocaram novos ataques da ala bolsonarista, com o filho do presidente, Eduardo, à frente, chamando o governador de “canalha”.

Bolsonaro também deverá usar o pronunciamento em rede de rádio e TV para fazer o ajuste de seu discurso em relação à gravidade da pandemia. Deve repetir o tom de tuíte desta quarta, em que diz que há mais de 40 dias fala da cloroquina e articula iniciativas de áreas do governo e com outros chefes de Estado. A tentativa, aqui, é apagar os grandes marcos de sua relação com a doença, as vezes em que a chamou de “gripezinha”, que saiu às ruas furando a recomendação de distanciamento social, disse que pessoas iriam morrer, mas “paciência”, e recomendou a volta do comércio e das escolas às atividades, por exemplo.

Os bolsonaristas já passaram o dia todo martelando a hashtag #BolsonaroTinhaRazao. O objetivo é claro: redirecionar a percepção das redes sociais, que também aparece na queda de avaliação do presidente nas pesquisas, de que ele não tem condições políticas de comandar o País em meio à pandemia.