Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Protestos contra morte de João Alberto ocorrem em várias cidades

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Protestos em unidades de supermercados Carrefour em diversas cidades têm ocorrido nesta sexta-feira, 20, em decorrência do assassinato de João Alberto, homem negro de 40 anos, por seguranças na unidade do Carrefour Passo D’Areia, em Porto Alegre. Na capital gaúcha, a manifestação iniciou na própria unidade onde ocorreu o crime, que permaneceu fechada durante o dia.

Protesto em frente à unidade do Carrefour em Porto Alegre, onde ocorreu o crime

Protesto em frente à unidade do Carrefour em Porto Alegre, onde ocorreu o crime Foto: Diego Vara/ Reuters

Cruzes e flores em homenagem a João Alberto foram colocadas no local e lideranças negras e políticas participaram com discursos no caminhão de som. “Acabou o amor, isso aqui vai virar Palmares. Racistas, fascistas não passarão”, gritavam os manifestantes no ato.

Em São Paulo, manifestantes se concentraram no vão do Masp. O ato foi convocado por organizações do movimento negro com o tema Vidas Negras Importam. Um grupo de cerca de 600 pessoas saiu em caminhada em direção ao Carrefour da Pamplona. No supermercado, uma pequena parte das pessoas  atirou pedras na fachada e um grupo invadiu o supermercado atirando objetos no chão ou quebrando-os. Não houve registro de saques, prisões ou feridos. Lideranças chegaram a pedir que não houvesse quebra-quebra ou invasão, mas os pedidos não foram atendidos pelo grupo. O shopping onde fica a unidade da rede foi interditado e a Polícia Militar foi ao local. Nas redes sociais, a deputada estadual Monica Seixas (PSOL) afirmou que moradores de um prédio na mesma rua jogaram ovos e garrafa de vidro sobre manifestantes enquanto participava do ato.

No Rio, manifestantes protestaram pacificamente no Carrefour da Barra da Tijuca com faixas com dizeres como “Parem de nos matar” e “Sem Justiça, sem paz”. Já em Brasília, houve protesto no Carrefour localizado na Asa Sul. O ato começou na rua e depois entrou na unidade para pedir o fechamento do supermercado.