Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

PSDB rebate Guedes e lembra que Bolsonaro votou contra Plano Real

Marcelo de Moraes

O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, decidiu rebater as críticas feitas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que, tem repetido que os problemas do País são consequência de um período de 30 anos de social-democracia. Em nota oficial, o dirigente tucano falou do legado deixado pelos governos do PSDB e lembrou ao ministro que enquanto o partido reformava o País o presidente Jair Bolsonaro se alinhava ao PT no voto contrário a propostas importantes, como o Plano Real. “Reiteradamente, o ministro da Economia Paulo Guedes tem afirmado que o problema do Brasil se deve aos 30 anos de social democracia. Mas o legado social democrata do PSDB para o Brasil se constitui em: defesa irrestrita da democracia e da liberdade; liberalismo econômico; Plano Real; Lei de Responsabilidade Fiscal; privatização da telefonia; programas de transferência de renda; equacionamento da dívida dos Estados; reforma administrativa; universalização do ensino fundamental”, citou Araújo.

“Nesse período, enquanto o PSDB era chamado de ‘neoliberal’, o presidente Bolsonaro votava com o PT contra o Plano Real, contra a reforma da Previdência, por mais privilégios aos setores corporativos e defendia ditadura”, criticou. “Com a chegada do PT ao poder, novas estatais foram criadas, a dívida pública voltou a explodir, houve crescimento vertiginoso do desequilíbrio fiscal até chegarmos à maior recessão da história, com o rastro de falências e desemprego deixado pelo governo Dilma Rousseff. Hoje, os sociais-democratas do PSDB estão à frente da principal medida do governo: a reforma da Previdência. Um texto conduzido pelo ex-deputado Rogério Marinho, aperfeiçoado na Câmara por Samuel Moreira e que será relatado no Senado por Tasso Jereissati”, lembrou Araújo. “Social-democracia não é PT. Não somos PT. Somos pela democracia. Somos responsabilidade e desenvolvimento”, encerra o presidente tucano na nota. / Marcelo de Moraes