Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Quais serão os efeitos do Brexit no mundo a partir de agora

Equipe BR Político

Marcado para as 23 horas (no horário de Londres) desta sexta-feira, 31, o processo de saída do Reino Unido da União Europeia, conhecido como Brexit, terá efeitos econômicos e políticos que serão sentidos por muitos anos e até décadas, segundo pesquisadores ouvidos pelo BRP. De acordo com os especialistas, o processo está apenas começando. 

A partir de agora o Reino Unido procurará acordos comerciais e alinhamento político com grandes economias, de acordo com o professor de Relações Internacionais da USP Kai Enno Lehmann, que é especializado em União Europeia. Apesar de a saída formal ter sido marcada para este 31 de janeiro, o país passará a partir de agora pelo período de transição. Até o fim de 2020, ainda ficam valendo as condições anteriores à saída nas relações com a UE, enquanto os termos do acordo e das relações comerciais futuras com o bloco europeu serão discutidos e definidos.  

Parlamento Europeu deixando o Parlamento pela última vez em Bruxelas, Bélgica

Membros britânicos pró-brexit do Parlamento Europeu deixando o Parlamento pela última vez em Bruxelas, Bélgica Foto: Francois Lenoir/Reuters

“A mudança mesmo vai ocorrer no fim do ano. Um dos grandes problemas é que, embora o Reino Unido tenha deixado claro que gostaria de sair da União Europeia, tem sido bastante vago o que o país gostaria de construir no lugar da relação econômica atual”, afirma o pesquisador. Segundo Lehmann, a busca do país será por acordos que deem respaldo político e podem significar que o Reino Unido cederá a muitas demandas de outros países. “Negociar como parte do maior bloco comercial do mundo é diferente de negociar individualmente como país, mesmo sendo uma grande economia.”

Porém, de acordo com o professor, o principal efeito do processo será um fim do Reino Unido como se entende hoje. “O grande legado do Brexit vai ser a quebra do Reino Unido atual. Devemos ver durante as próximas décadas a saída da Irlanda do Norte, que de fato em termos econômicos vai já acontecer no final do ano, e da Escócia.”

Eco no Brasil

Segundo os especialistas, as relações comerciais entre o Brasil e o Reino Unido não devem mudar a curto prazo. Com uma provável ratificação do acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia, entretanto, é possível que o país britânico procure também um acordo com o bloco sul americano.  

“Se for ratificado, haverá uma enorme discrepância entre os termos que existem entre os países do Mercosul e a União Europeia e o Reino Unido. Nesse caso, para se igualar, o Reino Unido pode procurar negociar um acordo de livre comércio próprio com o Mercosul”, afirma Lehmann.

De acordo com o historiador da Universidade de Brasília, Estevão de Rezende Martins, não deve haver uma diferença grande das importações e exportações entre o Brasil e o Reino Unido no primeiro momento. “São insumos para agricultura, alimentação para criação de animais, commodities básicas e alguns elementos fundamentais da indústria siderúrgica”, afirma.

Notícias relacionadas

Tudo o que sabemos sobre:

BrexitUnião EuropeiaReino UnidoEconomia