Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Randolfe pede garantia de vida para Queiroz e familiares

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou nesta quinta, 18, que vai acionar o Ministério da Justiça e o governador do Rio de Janeiro para que seja assegurada a garantia de vida e “incolumidade física” de Fabrício Queiroz, que foi preso preventivamente nesta manhã no âmbito da Operação Anjo relacionada ao inquérito sobre as “rachadinhas” no gabinete do filho do presidente, o hoje senador Flávio Bolsonaro, à época em que era deputado estadual. Queiroz foi preso numa propriedade em Atibaia (SP) de um dos advogado de Flávio, Frederick Wassef.

O senador Randolfe Rodrigues

O senador Randolfe Rodrigues Foto: Dida Sampaio/Estadão

A mulher de Queiroz, Márcia Oliveira de Aguiar, também é alvo de mandado de prisão, no Rio. A operação mira ainda no servidor da Assembleia Legislativa do Rio Matheus Azeredo Coutinho, os ex-funcionários da casa Luiza Paes Souza e Alessandra Esteve Marins e o advogado Luis Gustavo Botto Maia.

As ordens contra Queiroz e a mulher foram expedidas pelo juiz Flávio Itabaiana Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Rio de Janeiro.

O senador ainda acrescenta que apresentará representação à OAB-RJ para que seja instaurado um procedimento pelo conselho de ética do órgão contra Wassef e que o Senado dê prosseguimento a processo contra Flávio no Conselho de Ética da Casa.

Caso Adriano

Em fevereiro deste ano, ex-policial militar Adriano Magalhães da Nóbrega, conhecido como “capitão Adriano”, foi morto em uma troca de tiros com a polícia, no interior da Bahia. Ele era apontado como chefe do “Escritório do Crime”, milícia suspeita pela morte da vereadora do Rio Marielle Franco (PSOL) e seu motorista Anderson Gomes, assassinados em março de 2018.

Adriano trabalhou no 18º Batalhão da PM com Fabrício Queiroz. A mãe e a mulher de Nóbrega trabalhavam no gabinete de Flávio e teriam sido contratadas por Queiroz. Segundo o Ministério Público, o miliciano ficava com parte do pagamento do salário delas.