Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Previdência vira refém do corporativismo do Senado

Vera Magalhães

A reforma da Previdência, que parecia já favas contadas e deveria ser aprovada em primeiro turno pelo Senado nesta terça-feira, virou refém da revanche corporativa do Senado contra a busca e apreensão feita tendo como alvo o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). De forma articulada e sob o comando do presidente da Casa, Davi Alcolumbre, a reforma foi adiada para dar lugar a uma sessão convocada às pressas para derruba vetos à Lei de Abuso de Autoridade.

Ao mesmo tempo, Alcolumbre o líderes de vários partidos, do PT ao Centrão, articularam em jantar na segunda-feira na residência oficial do Senado o adiamento da votação da reforma também na CCJ, como forma de deixar claro que o Senado vai cuidar primeiro de seus próprios interesses. Na sessão do Congresso convocada por ele, foi incluído também um projeto de crédito suplementar de R$ 3 bilhões para que possam ser pagas emendas parlamentares –condição incluída no pacote de negociação da reforma agora represada.

Simone Tebet, presidente da CCJ do Senado, e Tasso Jereissati, relator da reforma da Previdência na Casa.

Simone Tebet, presidente da CCJ do Senado, e Tasso Jereissati, relator da reforma da Previdência na Casa. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Em outra frente, afetando indignação, o presidente do Senado resolveu marchar até o STF para exigir a revogação da liminar contra Bezerra Coelho, como mostrou Marcelo de Moraes em post mais cedo aqui no BRP. Tem na manga outro trunfo, que pode usar ou não: a instalação da CPI da Lava Toga, que até aqui está segurando.

O sequestro da Previdência teve como mentores, além de Alcolumbre e Braga, também senadores como Rogério Carvalho (PP), Eduardo Braga, líder do MDB e relator da indicação de Augusto Aras para a Procuradoria-Geral da República, Otto Alencar (PSD-BA) e outros. Eles chegaram com o prato feito para a presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), que tentou reagir, juntamente com o relator da Previdência, Tasso Jereissati (PSDB-CE), mas foi atropelada.