Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Reginaldo Lopes vai acionar PGR por ameaças após notícia-crime contra Bolsonaro

Alexandra Martins

Exclusivo para assinantes

O deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG), ameaçado pela milícia bolsonarista nas redes após apresentar notícia-crime ao Supremo Tribunal Federal contra o presidente Jair Bolsonaro, afirmou nesta terça, 31, que vai acrescentar ao documento informações sobre a campanha “O Brasil não pode parar”, encomendada pela Secom e espalhada nas redes por um dos filhos do presidente, e cenas do chefe do Planalto em interação física com comerciantes de Brasília em plena pandemia do coronavírus. O parlamentar também informou que vai acionar a Procuradoria-Geral da República para que investigue as ameaças que tem recebido pelas redes sociais. “Escreveram que vão me matar. Não me preocupa, mas é muito delicado porque eu represento um Poder”, disse ele ao BRP.

O deputado federal Reginaldo Lopes

O deputado federal Reginaldo Lopes Foto: Reila Maria/Câmara dos Deputados

Reginaldo quer enquadrar o presidente no artigo 268 do Código Penal, que consiste em infringir determinação do poder público destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa. A notícia-crime foi encaminhada pelo STF ao procurador-geral da República na última sexta-feira, 27. Na petição, o deputado pede que seja oferecida denúncia contra Bolsonaro. Cabe ao PGR Augusto Aras aceitar ou não o pedido. Em caso afirmativo, o STF tem que pedir autorização à Câmara para abrir investigação, que só é conduzida se houver votos de 2/3 dos deputados da Casa. “Se chegar na Câmara, vai ser autorizada”, prevê o parlamentar. A partir daí, os ministros do STF decidem se o presidente vira réu para afastamento do cargo por 180 dias.