Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Renan: ‘Ampliação do Bolsa Família passa por cortar subsídios ineficientes’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) fez uma crítica à proposta apresentada na semana passada pelo governo de usar recursos como o do Fundeb e dos precatórios para um programa de ampliação de benefícios sociais nesta segunda-feira, 5. O parlamentar, que está entre os que articulam uma saída dentro do teto de gastos para o Renda Brasil ou Renda Cidadã defendeu que o financiamento seja feito com o corte de subsídios que considera “ineficientes”. Renan mencionou também o jantar que ocorre hoje em que participam o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

“A ampliação do bolsa família passa por cortar subsídios ineficientes, eliminar salários acima do teto no serviço público e alíquotas de IR maior para salários de 50, 70, 100 mil. É minha visão, que depende da aceitação da maioria da política”, escreveu nas redes sociais. “A política é insubstituível na calibragem das medidas anti crise. Fui relator do bolsa família, autor da lei dos precatórios e promulguei a Emenda do teto, que excluiu FUNDEB,saúde e transferências a estados e municípios”, lembrou.

Calheiros também abordou a reforma tributária, que está desde a semana passada com os debates paralisados e nenhum acordo sobre a polêmica proposta do governo de um um imposto sobre transações digitais. “É injusto que salários menores paguem a mesma alíquota dos magnatas. Só a política é capaz de fazer essa mediação com equilíbrio. O encontro de hoje a noite será uma oportunidade única para esse debate”, disse. “Não há como fechar os olhos a isenção de iates, helicópteros e e dividendos. Só o Brasil e Estônia não tributam dividendos.”