Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Para Maia, tributária não pode apenas unificar impostos

Equipe BR Político

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse nesta segunda-feira, 16, que uma reforma tributária que apenas unifique impostos não servirá para diminuir a carga tributária do País. Além disso, o parlamentar também aproveitou e deu uma cobrada “de leve” no governo, para que envie uma proposta de reforma. “Estamos esperando o governo enviar a proposta dele”, cobrou, e completou dizendo que seria “muito positivo” ter o projeto do Executivo para discussão.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Foto: Felipe Rau/Estadão

Atualmente, são discutidos no Congresso dois projetos de reforma tributária: um é apoiado pelo governo e tramita no Senado. O outro é a PEC 45, de autoria do deputado Baleia Rossi (MDB-SP) e do economista Bernard Appy, e que tramita atualmente na Câmara. Segundo Maia, a referência usada pelo projeto de Rossi e Appy é “muito positiva”. Além disso, na última semana, os governadores entregaram a Maia uma proposta de reforma tributária elaborada pelos Estados, que terá a forma de emenda à PEC 45.

Uma das ideias de reforma em estudo pelo governo era a criação de um imposto semelhante à antiga CPMF. Como mostramos aqui no BRPolítico, a ‘nova CPMF’ levou à queda do secretário especial da Receita, Marcos Cintra. Isso pode fazer com que o projeto de reforma dos Estados ganhe força.

Segundo o Broadcast Político, o presidente da Câmara também voltou a bater na tecla de que não é hora de se discutir a revisão do teto de gastos, apontada como possível solução para o aperto fiscal. “Acho que só deveríamos discutir o teto dos gastos depois que controlarmos as despesas”, disse.