Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Russomanno é o mais rejeitado em São Paulo, aponta Paraná Pesquisas

Cassia Miranda

Exclusivo para assinantes

Além de estar caindo nas intenções de voto, o deputado Celso Russomanno (Republicanos) também é apontado como o candidato à Prefeitura de São Paulo mais rejeitado pelos eleitores, segundo levantamento divulgado nesta terça-feira, 3, pelo instituto Paraná Pesquisas. Ao todo, 40,1% entrevistados disseram que não votariam de jeito nenhum no candidato apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro. Ele é seguido pelo atual prefeito da Capital, Bruno Covas (PSDB), que é rejeitado por 24,1% do eleitorado paulistano. A dupla é a mais bem colocada na disputa, sendo que o prefeito lidera com 25,6% das intenções de voto, ante 19,5% de Russomanno.

O candidato à Prefeitura de São Paulo Celso Russomanno

O candidato à Prefeitura de São Paulo Celso Russomanno Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Apesar de estar subindo nas sondagens, o candidato do PSOL, Guilherme Boulos, ainda é o terceiro mais rejeitado, 23,6% dos eleitores não dariam o voto no líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST).

Na sequência, quem aparece é a deputada federal Joice Hasselmann (PSL), com rejeição de 13,8%. Jilmar Tatto, do PT, soma 17,2%; porcentagem maior do que Levy Fidelix (PRTB), que é rejeitado por 13,9% do eleitorado. Completam a lista: Márcio França (PSB), 13,6%; Andrea Matarazzo (PSD), com 13,5%; Arthur do Val (Patriotas), com 13,4%; Orlando Silva (PCdoB), com 12,8%; Marina Helou (Rede), com 12,4%; Vera Lucia (PSTU), com 12,3% e Antônio Carlos (PCO), com 11,2%. Nestae caso, cada eleitor poderia citar mais de um candidato.

Intenção de voto

Atrás de Covas e Russomanno, na pesquisa de intenções de voto está o candidato do PSOL, que tem 13,4%. Márcio França tem 10%; Jilmar Tatto tem 5%; Arthur do Val aparece com 4,2%; Joice Hasselmann soma 2,4%; e Andrea Matarazzo tem 2,1%.  Levy Fidelix, Marina Helou, Orlando Silva, Antônio Carlos e Vera lúcia ficaram abaixo do 1%.

A menos de duas semanas para o primeiro turno, marcado para 15 de novembro, 10,1% dos eleitores disseram que vão votar em branco ou nulo. Os que não sabem ou não responderam representam 6,2%.

O Paraná Pesquisas ouviu 1000 eleitores de São Paulo, por telefone,  entre os dias 29 de outubro e 1 de novembro. A margem de erro do levantamento é de três pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o nº SP-09440/2020.