Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Salles liga Greenpeace a vazamento de óleo no Nordeste

Equipe BR Político

Um dia após o Greenpeace fazer protesto em frente ao Palácio do Planalto contra a atuação do governo federal diante do desastre ambiental provocado por óleo no litoral nordestino, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, relacionou a ONG ao derramamento da substância tóxica que se alastra pela costa brasileira há 54 dias. “Parece que o navio do #greenpixe estava justamente navegando em águas internacionais, em frente ao litoral brasileiro bem na época do derramamento de óleo venezuelano…”, publicou nesta quinta-feira, 24, no Twitter.

Em resposta à declaração, a organização afirmou que vai à Justiça contra o ministro. Nas redes sociais, o Greenpeace escreveu que “novamente @rsallesmma cria falsas acusações para esconder sua incompetência em agir e proteger as pessoas e o meio ambiente. Sua postura não é digna do cargo que ocupa. Quem nos acusa sofreu CONDENAÇÃO por fraude ambiental e MENTIU que estudou em Yale”. A organização 

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, participa de reunião da Comissão de Meio Ambiente do Senado.

Ricardo Salles. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O trocadilho com o nome da ONG se deve à semelhança física do piche com o petróleo cru que ocasiona o desastre ambiental, que é o maior vazamento de óleo da história do País, em termos de extensão. Como você viu no BRP, o ministro tem travado uma espécie de guerra com a organização.

Durante o protesto de quarta, 23, 17 manifestantes foram detidos pela PM do Distrito Federal. Antes, o ministro postou em suas redes sociais um vídeo editado da instituição sobre o qual ironiza a atuação da ONG na limpeza das praias.

Apesar de trabalhar com algumas hipóteses, que envolvem navio-fantasma e possível transferência de óleo de uma embarcação a outra, o governo ainda não chegou ao responsável pelo vazamento. Além de também cobrar posicionamento das ONGs, que estariam em silêncio sobre o assunto, Jair Bolsonaro sugeriu que o derramamento poderia estar articulado com a esquerda em seu Twitter.

Salles fez pronunciamento em cadeia nacional na quarta-feira e informou que vai acionar a Organização dos Estados Americanos (OEA) para que o órgão mobilize a Venezuela. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, reafirmou a solicitação à OEA nesta quinta-feira, para que investigue as causas do desastre. Araújo repetiu que o governo já tem certeza de que o óleo é de origem venezuelana, mas que ainda falta apurar de onde ele vazou e quais os responsáveis.