Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

São Paulo não tem tradição de viradas em 2º turno

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Além da desvantagem numérica apontada pelas pesquisas, o candidato do PSOL à prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos, terá um outro obstáculo pela frente se quiser ser o próximo chefe do Executivo paulistano. Terá de superar o peso da tradição: desde 1992, das seis disputas pelo comando da Prefeitura que foram ao segundo turno, em apenas uma houve inversão das colocações dos candidatos entre os turnos, segundo levantamento feito pela Arko Advice e publicado pelo Estadão.

Bruno Covas e Guilherme Boulos. Fotos: Governo de SP e Alex Silva/Estadão

A primeira fase da disputa encerrou com Covas na frente, com 31,85% dos votos, seguido por Boulos, com 20,24%.

A exceção foi em 2012, numa disputa entre tucanos e petistas. No primeiro turno, José Serra (PSDB) havia recebido 30,75% dos votos válidos e ficou colocado em primeiro lugar. Já o concorrente, Fernando Haddad (PT) largou atrás – recebeu 28,98% dos votos – mas levou a Prefeitura da capital paulista: terminou o segundo turno com 55,75% dos votos contra 44,43% do tucano.