Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Secretaria da Mulher da Câmara repudia ataques a repórter

Equipe BR Político

Depois dos ataques à jornalista Patrícia Campos Mello do presidente Jair Bolsonaro na manhã desta terça-feira, 18, a Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, coordenada pela deputada Professora Dorinha (DEM-TO), emitiu uma nota de repúdio. “É inaceitável que, em pleno século 21, mulheres ainda sofram de violência física e verbal nas diferentes profissões que ocupam. É inconcebível que o próprio direito a não sermos sexualizadas e assediadas tenha que ser reforçado e relembrado diariamente”, diz o texto, em referência à fala de Bolsonaro. “Desde a revelação da jornalista a mesma tem sofrido seguidos ataques de cunho sexual, inclusive por autoridades da República.” 

A jornalista tem sido atacada desde a terça passada, 11, quando, em depoimento à CPMI das fake news, Hans River, ex-funcionário de empresa que fez envios em massa de mensagens via WhatsApp nas eleições de 2018, disse que a jornalista teria oferecido sexo em troca de informações para a reportagem da Folha de S. Paulo que mostrou o esquema de disparos. Uma das campanhas beneficiadas pela prática teria sido a de Jair Bolsonaro à Presidência. Na manhã desta terça, o presidente Jair Bolsonaro se referiu ao caso com uma insinuação sexual: “Ela queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim”, disse, rindo.