Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Senado não vai votar MP da Carteira Verde Amarela

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

O Senado decidiu não votar a medida provisória 905, que cria a chamada Carteira Verde Amarela, com regras trabalhistas mais amenas, para facilitar a contratação de jovens. No início da manhã havia um movimento no Senado também de líderes querendo adiar a votação do segundo turno da Proposta de Emenda à Constituição que cria o chamado Orçamento de guerra e permite que os gastos com o combate à pandemia de covid-19 não impactem o Orçamento regular.

O senador Alessandro Vieira em sessão virtual do Senado

O senador Alessandro Vieira em sessão virtual do Senado Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

A indisposição para votar a MP 905 se dá em duas frentes: com as alterações feitas pela Câmara e também com Jair Bolsonaro, graças à demissão de Luiz Mandetta do Ministério da Saúde e as críticas desferidas contra o parlamento no discurso de anúncio do novo ministro, Nelson Teich, na live semanal e em entrevista à emissora de TV CNN.

Os senadores temiam que alterassem a MP e, depois, ao voltar à Câmara, os deputados repusessem as alterações, tornando sua versão inócua. Com isso, a menos que haja um acordo até segunda-feira, a MP deve caducar, pois seu prazo expira justamente nesse dia. Os líderes do governo ainda tentam costurar algum acordo, mas a maioria quer deixar a medida perder validade.

O clima dos senadores em relação à Câmara não é dos melhores. Senadores acusam Rodrigo Maia (DEM-RJ) de manipular os prazos de forma que sempre sobre muito pouco tempo para o Senado analisar as propostas, atendendo a interesses do Centrão. Agora, pressionaram Davi Alcolumbre (DEM-AP) para dar uma resposta e afirmar sua independência em relação ao companheiro de partido.

“Do outro lado, Bolsonaro não mostra o mínimo sinal de equilíbrio emocional e Paulo Guedes não entendeu ainda o tamanho da crise e como funciona o sistema democrático e legítimo de construção de políticas públicas”, disse ao BRP o senador Delegado Alessandro Vieira (Cidadania-SE), um dos que ajudaram a articular a retirada de pauta da MP 905.