Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Senado pauta adiamento do Enem e ministro fala em consultar alunos

Marcelo de Moraes

Exclusivo para assinantes

Com o Senado podendo votar hoje ainda o decreto que adia a realização do Enem, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que o Ministério pretende consultar os alunos sobre a ideia. Mas, segundo Weintraub, a consulta seria feita apenas na última semana de junho. Como o Congresso deve tomar rapidamente a decisão sobre o adiamento da prova, a proposta do ministro pode cair no vazio.

O minsitro da Educação, Abraham Weintraub F

O minsitro da Educação, Abraham Weintraub Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Na verdade, Weintraub é conta o adiamento. Mas a proposta ganhou força depois que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse a Jair Bolsonaro que havia muitos parlamentares querendo mudar a data da prova para que estudantes não fossem prejudicados por não poderem fazer a prova em pé de igualdade com outros alunos por causa do coronavírus.

Maia disse a Bolsonaro que o ideal era que o governo liderasse o processo de adiamento. Bolsonaro respondeu que estudaria o assunto. Mas o ministro foi contra a transferência da data. Com a decisão do Senado de colocar na pauta de hoje o adiamento do Enem, Weintraub tentou se movimentar em torno da ideia da consulta aos alunos, mas sua proposta deverá ser ignorada pelo Congresso.

De qualquer jeito, Weintraub tentou defender seu ponto de vista pelas redes sociais.

“Liberdade de escolha: Neste momento, 4.000.000 de brasileiros já se inscreveram no Enem 2020. As inscrições vão até sexta-feira. Há um debate sobre seu adiamento. Nosso posicionamento é saber a opinião dos principais interessados, perguntando diretamente aos estudantes inscritos”, escreveu.

“O MEC fará uma consulta, na última semana de junho, a todos os inscritos, através da “Página do Participante”, do INEP. Vamos manter a data? Adiar por 30 dias? Suspender até o fim da pandemia?

O governo Jair Bolsonaro quer saber a opinião dos brasileiros!

Democracia é isso!”, postou o ministro.