Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Moro: ‘Meu candidato em 2022 é Bolsonaro’

Equipe BR Político

Após uma série de desentendimentos com o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, reforça que sua relação com Bolsonaro é “ótima” e diz que não será candidato à Presidência em 2022. Em entrevista à Veja, o ministro atribui essas notícias a intrigas e a “tentativas de lhe indispor” com o chefe do Executivo. “Eu digo ao presidente que essas notícias sobre uma eventual candidatura minha são intrigas. Ele sabe que eu não vou ser candidato. Primeiro por uma questão de dever de lealdade”, afirmou. “Também não vou me filiar ao Podemos nem vou ser candidato a vice. Não tenho perfil político-partidário. Meu candidato em 2022 é o presidente Bolsonaro e pretendo fazer um bom trabalho como ministro até o fim.”

Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Como você já leu aqui no BRP, Moro é a personalidade mais popular do governo federal. Segundo uma pesquisa da Ipespe/XP Investimentos, o ex-juiz recebeu nota 6 pela média dos entrevistados, em uma avaliação que vai de 0 a 10. A avaliação é 0,5 ponto maior do que a de Bolsonaro. A popularidade – e a defesa da Lava Jato – já lhe renderam alguns desentendimentos em Brasília, inclusive dentro da própria gestão. “Brasília é uma cidade onde as intrigas ganham uma dimensão irreal. As mais recentes afirmavam todo dia que eu estava saindo do governo. Minha relação com o presidente é muito boa, ótima. Nunca cheguei perto de pedir demissão. As pessoas inventam histórias. Sei que é mentira, o presidente sabe que é mentira”, disse.

O ministro também voltou a defender que a Lava Jato não cometeu excessos, e que as mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil não mostram nenhuma ilegalidade na operação. “Sou apenas um agente da lei, mas cumprir a lei pode ser às vezes um desafio contra interesses poderosos. Os avanços contra a corrupção foram produto de ação institucional. Quem me considera vilão estava do outro lado da lei”.

O ministro, no entanto, admite preocupação com relação ao julgamento no STF que pode afetar as sentenças da Lava Jato. “A eventual mudança de entendimento do STF sobre a prisão em segunda instância é o que mais me preocupa. Espero, respeitosamente, que não ocorra”. Sobre o ex-presidente Lula, Moro nega perseguição política e diz que ele “está preso porque cometeu crimes”.