Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Moro segue com elogios à intervenção em presídios do Pará

Equipe BR Político

Diante da denúncia de tortura em 13 presídios do Pará, o ministro da Justiça tuitou elogios nesta quarta-feira, 9, à força-tarefa de intervenção penitenciária federal (FTIP), promovida pela pasta e requisitada pelo governador Helder Barbalho. “Presos matavam-se uns aos outros antes disso”, escreveu sobre a ação das facções criminosas dentro das instituições.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro

Sergio Moro. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Sem especificar quais, Sergio Moro também declarou que “alguns relatos de presos já foram provados serem falsos” e que “juízes de execução e demais autoridades estaduais não reconhecem os abusos”.  Ele assegurou que os fatos estão sendo apurados e, se comprovados, os responsáveis serão punidos.

Feita por 17 dos 28 procuradores do Ministério Público do Pará, a ação de improbidade administrativa é baseada em relatos de parentes de presos, servidores do sistema prisional estadual, agentes federais, representantes da OAB que visitaram unidades e do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, vinculado ao Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Como você viu no BRP, práticas como uso de formigueiros em presas nuas e até empalamento foram registradas.

Em nota, o Departamento Penitenciário (Depen) negou as alegações de tortura e prepara a compra de câmeras de lapela para agentes que atuam na força-tarefa, como mostra o Globo. Após teste, a ideia é aplicar a iniciativa em todas as instituições sob intervenção, atualmente em vigor no Pará, Amazonas, Roraima, Rio Grande do Norte e Ceará.

Após a ação do MP, Maycon Rottava, coordenador da FTIP, foi afastado do cargo pela Justiça Federal. O Depen tenta reverter a decisão por meio da Advocacia-Geral da União.