Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Servidores aumentam a pressão e pedem saída de Salles

Equipe BR Político

Servidores ambientais do governo federal entregaram uma carta ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com alternativas para solucionar a crise ambiental na qual o governo está imerso. A receita inclui a exoneração do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. O texto pede a substituição do ministro por “um novo titular que compreenda a importância e a dimensão da pasta, defenda a política socioambiental e não tenha sido condenado por improbidade administrativa”. A carta é assinada pela Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Especialista em Meio Ambiente (Ascema Nacional), e inclui servidores do Ibama, do ICMBio, do Serviço Florestal Brasileiro e do próprio Ministério do Meio Ambiente.

Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, em entrevista coletiva para falar sobre as ações para combater as queimadas

Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente. Foto Mayke Toscano/Secom-MT

Os funcionários estão fazendo pressão contra o governo do presidente Jair Bolsonaro em meio à crise ambiental. Na semana passada, servidores do ICMBio entregaram um documento semelhante ao presidente do instituto, Homero de Giorge Cerqueira, pedindo o “fim da política de assédio e intimidação” aos funcionários de órgãos ambientais. A carta continha mais de 350 assinaturas e criticava a postura ambiental do governo.

Críticas semelhantes são feitas na carta entregue a Maia nesta quarta-feira, 4, que recebeu o documento no início da comissão geral que convocou para discutir a questão da Amazônia, de acordo com o Broadcast Político. A carta cita uma escassez histórica de investimentos do Estado brasileiro na conservação da floresta, mas também critica o “discurso governamental hostil aos órgãos e políticas ambientais”. “O que diferencia esta crise de outras anteriores é o desmonte, por ação ou omissão dos atuais gestores, da política ambiental, dirigentes que não têm, em geral, experiência e capacitação para ocuparem os cargos”, escreve a Ascema.

O texto contém uma lista de pedidos para os Poderes Executivo e Legislativo. Para os governantes, os servidores pedem o descontingenciamento dos recursos destinados a órgãos ambientais, a retomada do Fundo Amazônia, e a investigação ao “Dia do Fogo”, dentre outras ações. Aos parlamentares, pedem a suspensão de propostas negativas ao meio ambiente, como a proposta de liberar a caça. Pedem, também, a aprovação do porte de armas aos servidores que atuam efetivamente nas atividades de fiscalização.