Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Setor de serviços recua 0,2% em agosto

Equipe BR Político

Após avançar 0,7% em julho, o setor de serviços teve em agosto uma variação negativa de -0,2% em relação ao mês anterior, de acordo com dados divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira, 11. Em comparação com o mesmo mês de 2018, o recuo do setor foi ainda maior, tendo uma variação negativa de -0,14%. No entanto, no acumulado nos últimos 12 meses, o setor avançou 0,6%. Os dados também mostram que o avanço do setor está mais lento nos últimos meses: considerando apenas o ano de 2019, o setor  de serviços cresceu 0,5%, “mas com ligeira perda de dinamismo frente aos primeiros sete meses de 2019 (0,8%)”, segundo o IBGE.

O instituto destaca que o setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio teve um recuo de -0,9%, o que eliminou integralmente o ganho de 0,8% acumulado entre junho e julho. A queda foi puxada por “outros serviços” (-2,7%) e “serviços prestados às famílias” (-1,7%). As variações positivas vieram dos serviços de informação e comunicação (0,4%) e dos profissionais, administrativos e complementares (0,5%).

Para André Perfeito, economista-chefe da corretora Necton, o resultado não é necessariamente ruim. “Se observado a variação trimestral fechada (ou seja os três meses anteriores sobre os três meses imediatamente anteriores) a queda foi de apenas 0,04%. Neste sentido foi um bom resultado”, diz. O economista lembra que começou em setembro a liberação do FGTS, o que poderá ter algum impacto no consumo das famílias. “De forma alguma os dados representam recuperação econômica relevante, mas de fato não está tão ruim quanto inicialmente pensado”. Perfeito destaca que, dependendo do resultado de setembro, as projeções de crescimento do PIB podem também aumentar.

Tudo o que sabemos sobre:

IBGEEconomia