Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

SP prorroga quarentena e estuda reabertura de bares da Capital no dia 6

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O governo do Estado de São Paulo anunciou nesta tarde de sexta, 26, a liberação do funcionamento de bares, restaurantes, barbearias e salões de beleza e a ampliação dos horários de atividade do comércio de rua, shopping centers e escritórios para a região do ABC Paulista e sudoeste da Grande São Paulo, que inclui as cidades de Itapecerica da Serra e Embu das Artes. Segundo o prefeito Bruno Covas (PSDB), as reaberturas devem ocorrer no dia 6 de julho. “A recomendação é que, apesar de o município estar agora na fase amarela (menos restritiva), a gente vai esperar uma semana para que o município possa abrir aquilo que a fase amarela permite. O centro de contingência pediu que a Prefeitura aguarde mais uma semana para confirmar os números. O município vai acatar essa solicitação do Centro de Contingência”, declarou o prefeito.

Bares abertos em São Paulo Foto: Priscila Mengue/Estadãp

Ao mesmo tempo, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), prorrogou da quarentena no Estado de 29 de junho a 14 de julho para as demais regiões. Mais cinco regiões do interior do Estado passarão por restrições mais severas ao funcionamento do comércio, totalizando oito áreas onde apenas serviços essenciais estão autorizados: Araraquara, Franca, Araçatuba, Presidente Prudente, Marília, Bauru, Sorocaba, Registro e Piracicaba. A região de Barretos, que estava com as restrições máximas, foi autorizada da liberar o comércio de rua, shoppings e escritórios, mas ainda não restaurantes ou salões, informa o Estadão. As novas classificações das regiões vão valer a partir da segunda-feira, 29. “Se puderem, continuem em casa. Ainda estamos de quarentena”, reforçou Doria.

O Estado de São Paulo registra 258.508 casos confirmados do novo coronavírus, segundo dados divulgados hoje, 9.921 diagnósticos a mais que os anunciados ontem. Já os óbitos por covid-19 chegaram a 13.966, 207 a mais em relação ao dia anterior.

A capital e as duas regiões da Grande São Paulo são as únicas autorizadas a ficar na fase “amarela” do programa, quando há autorização para restaurantes e salões fazerem atendimento presencial. Na nova reclassificação, nove das 21 sub regiões do Estado ficaram na fase “vermelha”, quando só os serviços essenciais estão liberados.

“O que a gente quer evitar é que em uma semana vá para amarelo e na outra volte para o laranja”, disse o coordenador executivo do Centro de Contingência do Combate ao Coronavírus em São Paulo, João Gabbardo.