Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

STF dá 48 horas para governo informar cronograma de vacinação

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta tarde de domingo que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, forneça, dentro de 48 horas, a previsão de início e término do plano de imunização contra o novo coronavírus.

O Ministério da Saúde alega que não tem uma data exata para a vacinação porque não há ainda no mercado nacional “uma vacina eficaz e segura”, aprovada pela Anvisa. Sob pressão, a pasta entregou no afogadilho um plano nacional de imunização, mas sem calendário, sem submeter sua fase final a grupo de cientistas que trabalhou no documento, sem incluir segmentos vulneráveis de grupos prioritários num primeiro momento e sem cobrir a maioria da população.

“Apresentar uma data, especificar um imunobiológico e apresentar informações sem a devida identificação de uma vacina aprovada pela Anvisa, não condiz com as práticas de segurança e eficiência do Programa Nacional de Imunizações da pasta, que não trabalha com fulcro em especulações desprovidas de confirmações técnicas e científicas”, informou o ministério.

A primeira vacina registrada por agência reguladora no mundo contra o novo coronavírus para uso emergencial é a da Pfizer, produzida em parceria com o Biontech. Após o aval da FDA, agência dos EUA, o país deve dar início a seu calendário de vacinação nesta semana, começando pelos profissionais de saúde. O imunizante já está sendo aplicado na população do Reino Unido há uma semana.

O Ministério da Saúde afirma no plano de imunização que qualquer vacina será adquirida após autorização da agência brasileira.