Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

STF decide manter Weintraub no inquérito das fake news

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Por 9 a 1, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu manter o ministro da Educação, Abraham Weintraub, na mira do inquérito que apura ameaças, ofensas e fake news disparadas contra integrantes da Corte e seus familiares. O ministro Marco Aurélio Mello foi o único a votar a favor de julgar o habeas corpus em votação no plenário virtual da Corte nesta quarta, 17, sob a alegação de que o HC é “ação constitucional voltada a preservar a liberdade de ir e vir do cidadão”. O ministro Alexandre de Moraes não votou porque se declarou impedido por ter determinado a inclusão de Weintraub, enquanto relator do inquérito, entre os investigados.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub

O ministro da Educação, Abraham Weintraub Foto: Dida Sampaio/Estadão

O pedido de HC foi enviado pelo ministro da Justiça, André Mendonça, ao Supremo no dia 27 de maio após Weintraub ter sido chamado a prestar esclarecimentos sobre as declarações contra o STF na reunião ministerial de 22 de abril. Naquela ocasião, o titular do MEC afirmou que “botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF”.

Para o decano Celso de Mello, a fala de Weintraub, que no domingo foi reiterada em ato antidemocrático em Brasília, configuraria possível delito contra a honra (como o crime de injúria) dos ministros. O magistrado é relator de um outro inquérito, o que apura se houve interferência política do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

Tudo o que sabemos sobre:

fake newsinquéritoAbraham Weintraub