Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Surge segundo porteiro no caso Marielle

Equipe BR Político

O porteiro do condomínio Vivendas da Barra que afirmou aos investigadores que um dos acusados de assassinato da ex-vereadora Marielle Franco, Élcio Queiroz, pediu para ir à casa 58, do presidente Jair Bolsonaro, não é o mesmo que afirmou ter falado com o dono da casa 65, Ronnie Lessa, acusado de atirar na ex-parlamentar, segundo o colunista Lauro Jardim, de O Globo.

O primeiro porteiro afirmou à Polícia Civil que Élcio pediu na portaria para ir à casa 58, tendo recebido autorização do “seu Jair” para que o convidado entrasse. O presidente, no entanto, se encontrava em Brasília no dia da visita. Já a gravação apresentada por Carlos Bolsonaro e periciado pelo Ministério Público Federal em duas horas apontou que não se trata do mesmo porteiro, mas de um segundo.

Tudo o que sabemos sobre:

Marielle FrancoporteiroJair Bolsonaro