Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Freitas defende projetos da monarquia

Equipe BR Político

Na opinião do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, o Brasil estaria em melhores condições caso a República não houvesse sido proclamada em 1889, disse em entrevista no “Conversa com Bial”, da TV Globo, que foi ao ar na madrugada desta terça-feira, 22. De acordo com o engenheiro formado pelo Instituto Militar de Engenharia, o fim da monarquia interrompeu a continuidade de projetos promissores. “É uma tese que não dá para comprovar, mas o País hoje estaria em outro patamar. O império pensou anos à frente. A transposição do Rio São Francisco foi pensada no Segundo Reinado, com um traçado parecidíssimo com o atual. A rodovia Norte-Sul, leiloada recentemente, também foi pensada no período de Pedro II”, afirmou o ministro 

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, no programa Conversa com Bial

Tarcísio Freitas no Conversa com Bial. Foto: Reprodução/TV Globo

Freitas se inspira no modelo da época para tentar resgatar o potencial das ferrovias. De acordo com o ministro, a ideia é retomar a autorização para o setor privado tocar as obras. “O maior boom ferroviário que tivemos na nossa história foi de 1854 a 1913. Os investimentos eram todos privados, mas criamos as condições para que o privado investisse. Ele queria fazer a ferrovia e tomava o risco. Havia uma garantia de remuneração sob capital investido, e a possibilidade de explorar todo o ativo mineral na faixa de domínio das ferrovias”, recordou.

Em tentativa de atenuar as declarações pró-monarquia, às vésperas do aniversário de 130 anos da proclamação, o ministro elogiou a estrutura política vigente – da qual faz parte – e mostrou otimismo em relação ao futuro. “Eu seguramente não seria um dos militares que participou da proclamação da República. E acho que nem o Duque de Caxias, se fosse vivo. Mas a República que temos é vibrante, e vamos fazer dar certo”, afirmou Freitas.

Os projetos tocados pela pasta da Infraestrutura também foram assunto na entrevista. O ministro destacou o plano da ferrovia Ferrogrão, que pretende ligar Cuiabá (MT) a Santarém (PA), como um dos mais aguardados. “É uma meta ambiciosa, mas extremamente transformadora. O arco Norte é a melhor porta de saída para os mercados consumidores asiático e europeu, e o potencial de redução de custos é enorme”.

Embora venha se destacando no time de ministros do governo Bolsonaro, Tarcísio Freitas descartou qualquer ambição política em sua carreira, e negou participação no veto ao retorno da CPMF. O ministro ressaltou a liberdade que possui por ser um ministro técnico, sem amarras partidárias. “Meu sonho agora é entregar a BR-163, fazer a Ferrogrão. Quem sabe um dia ter trem-bala”, disse.