Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Tiro de Bolsonaro contra a vacina sai pela culatra

Gustavo Zucchi

Exclusivo para assinantes

A mais recente “jogada” de Jair Bolsonaro para desacreditar a vacina Coronavac, que está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan junto de uma empresa chinesa, acabou sendo, no ditado popular, um “tiro pela culatra”. Em menos de um dia depois da decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de suspender os testes, foi revelado que o voluntário que morreu teria se suicidado.

O presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro Foto: Gabriela Biló/Estadão

Mais do que isso, a “comemoração” de Bolsonaro, como uma “vitória” ante seu adversário político João Doria, fez a decisão ganhar evidentes feições de movimentação política. E pinta Bolsonaro como um presidente disposto até mesmo a “aparelhar” uma das agências reguladoras de grande prestígio para deslegitimar um medicamento que pode salvar milhares de vidas caso os testes sejam bem sucedidos.

Um prato cheio para a oposição. Em especial com a eleição municipal batendo a porta e com o presidente deixando claro quem são seus favoritos. Por exemplo, Guilherme Boulos, candidato do PSOL à Prefeitura de São Paulo, já está batendo neste bumbo para terminar de desidratar Celso Russomano (Republicanos), que pinta novamente como “cavalo paraguaio” na disputa municipal.

Roberto Freire (Cidadania), que sonha em lançar Luciano Huck para Presidência da República em 2022, também já faz barulho. “Bolsonaro pôs na Anvisa um militar que topa atrasar uma vacina para agradar o chefe. Nunca foram à guerra. Decidiram fazê-la contra os brasileiros”, disse.

Bolsonaro luta para ganhar narrativas sobre a pandemia desde seu infame pronunciamento em rede nacional chamando o coronavírus de “gripezinha”. Ganhou popularidade com o auxílio emergencial e seu discurso contra as medidas de isolamento social se beneficiou da fadiga da população com as restrições. A “Cruzada” contra a vacina, tendo ao lado apenas a quase falida “ala ideológica”, pode ter a resposta da população já no próximo domingo.