Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Três décadas depois, políticos lançados por César Maia mantêm fôlego no Rio

Marcelo de Moraes

Se Eduardo Paes (DEM) confirmar o favoritismo indicado pelas pesquisas e se eleger prefeito do Rio, será mais uma prova do fôlego dos políticos lançados por César Maia, a partir de sua vitoriosa campanha municipal de 1992. Na ocasião, dissidente do brizolismo, César se tornou prefeito, derrotando a petista Benedita da Silva no segundo turno. Com isso, se transformou não apenas em protagonista da política da cidade, onde ocupou três vezes a prefeitura, mas também projetou outros nomes no cenário local e nacional. Foi o caso de Paes, que integrou sua primeira equipe de governo.

Reeleito vereador no Rio, Cesar Maia (DEM) recebeu mais de R$ 1 mi em campanha Foto: Wilton Junior / Estadão

Desde 1992, apenas a eleição de Marcelo Crivella, em 2016, representou o triunfo de um candidato a prefeito que não tivesse entrado na política por meio de César. Ele próprio venceu em 1992, 2000 e 2004. Em 1996, apoiou com sucesso a campanha do arquiteto Luiz Paulo Conde, que surgiu na política indicado por César para comandar a super poderosa secretaria de Urbanismo, criada na sua primeira administração.

Anos depois, os dois acabaram rompendo e César o derrotou em 2000, impedindo sua reeleição. Conde ainda ocupou outros cargos importantes, incluindo o de vice-governador, e morreu em 2015.

Com apenas 23 anos, Eduardo Paes era um dos mais ativos apoiadores de César na campanha de 1992 e foi nomeado como subprefeito da Zona Oeste pelo prefeito eleito. Popular à frente do cargo, se elegeu vereador. Depois, virou deputado federal e voltou a ser secretário de Maia, em 2001, comandando a pasta do Meio Ambiente. Os dois também romperam e Paes seguiu na sua carreira como parlamentar. Em 2006, disputou sem sucesso o governo estadual, mas se aproximou de Sérgio Cabral e teve seu apoio para chegar à prefeitura em dois mandatos seguidos (2008 e 2012).

Sem conseguir emplacar o sucessor contra Crivella e com a implosão do grupo de Cabral, Paes deu um tempo na política e passou um período nos Estados Unidos. Ao voltar, reatou com o grupo de César, a essa altura fortalecido pela ascensão no cenário nacional de seu filho, o deputado Rodrigo Maia, outro bem-sucedido integrante da turma de 1992.

Paes voltou às disputas em 2018 e chegou ao segundo turno na corrida pelo governo, perdendo para Wilson Witzel, que foi impulsionado pela onda bolsonarista. Agora, é o favorito para ocupar pela terceira vez a prefeitura do Rio, igualando a marca do próprio César.

Os prefeitos eleitos no Rio desde 1992

1992 – César Maia

1996 – Luiz Paulo Conde

2000 – César Maia

2004 – César Maia

2008 – Eduardo Paes

2012 – Eduardo Paes

2016 – Marcelo Crivella

Tudo o que sabemos sobre:

César MaiaEduardo PaesRio de Janeiro