por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Trocas em comissão foram solicitadas em maio, diz ministério

Equipe BR Político

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos informou por meio de nota que as trocas na Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP) foram solicitadas em 28 de maio. Nesta quinta-feira, 1, o Diário Oficial da União trouxe a troca de quatro integrantes do colegiado, incluindo a sua presidente, Eugênia Augusta Gonzaga Fávero, que acredita que as mudanças foram feitas “em represália” diante de sua postura em relação aos últimos fatos relacionados a declarações de Bolsonaro sobre o Fernando Santa Cruz, pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz.

“O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos esclarece que as trocas promovidas na Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, apesar de concluídas agora, foram solicitadas em 28 de maio como parte de iniciativa para otimizar os trabalhos. O interesse deste Ministério é acelerar o serviço para que os familiares requerentes obtenham a respostas sobre o paradeiro de seus entes queridos”, diz a nota da pasta. A presidência da CEMDP passou para Marco Vinícius Pereira de Carvalho, antigo assessor da ministra Damares Alves, segundo o Broadcast Político.