Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Trump anuncia rompimento com OMS

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Depois de meses em atrito com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o presidente Donald Trump anunciou nesta sexta, 29, que os EUA vão romper de vez com a entidade, reforçando críticas anteriores sobre suposta tolerância da OMS com a China desde o início da pandemia do novo coronavírus. Em meados de maio, o republicano ameaçara cortar o financiamento do país à organização, sempre com o argumento de que Pequim era “uma marionete da OMS”.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump Foto: Leah Millis/Reuters

Em carta enviada há semanas ao diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que uma investigação do governo americano confirmou “alarmante falta de independência entre a OMS e a China”. Trump também já reclamou que a entidade não subsidiou os EUA com informações suficientes para o combate à pandemia, em que pese a postura negacionista inicial do presidente republicano em relação à covid-19.

“Como eles não fizeram as reformas necessárias e muito necessárias, encerraremos nosso relacionamento com a Organização Mundial da Saúde e redirecionaremos esses fundos para outras necessidades globais urgentes de saúde pública”, afirmou Trump hoje em declarações à imprensa.

A retaliação vem também na esteira das discordâncias de Trump com as políticas anunciadas por Pequim para diminuir a autonomia de Hong Kong em razão dos protestos pró-democracia na ex-colônia britânica. Na quinta-feira, 28, no último dia de sua sessão anual, o Congresso chinês aprovou a lei que prevê a supressão da subversão, da secessão, do terrorismo e de todo ato que possa ameaçar a segurança nacional em Hong Kong. Em resposta, Trump disse hoje que os EUA restringirão os estudantes chineses e começarão a reverter o status especial do território nas alfândegas e em outras áreas.

A China afirma que os EUA brincam com fogo ao apoiarem publicamente os protestos, e acusa os manifestantes mais radicais de promoverem “atividades terroristas”.

Tudo o que sabemos sobre:

OMSChinaDonald TrumpEUAHong Kong