Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

TSE estuda estender horário da eleição, diz Barroso

Cassia Miranda

Exclusivo para assinantes

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou nesta quarta-feira, 5, que a corte estuda a possibilidade de estender o horário da votação das eleições municipais em pelo menos uma hora em razão da pandemia do coronavírus.  Segundo ele, também está em análise a possibilidade de reservar o horário inicial da votação, entre 8h e 11h, para os idosos. As medidas visam evitar aglomeração e proteger parte do grupo de risco para covid-19.

O ministro do STF Luis Roberto Barroso

O presidente do TSE, Luís Roberto Barroso. Foto: Carlos Moura/SCO/STF

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira, 5, Barroso disse a expectativa é que essa definição sobre esse tema ocorra ainda em agosto.

“Nós ainda não batemos o martelo. O que fizemos foi solicitamos um estudo ao setor de estatística para calcularmos a saturação de cada uma das seções eleitorais no sentido de impedir a formação de filas e aglomerações”, afirmou Barroso.

Perfil do eleitorado

Barroso apresentou ainda o perfil dos eleitores aptos a votar neste ano. Ao todo, são 147.918.483 pessoas, o que corresponde a um aumento de 2,66% em relação às eleições de 2016. O dado não considera eleitores de Fernando de Noronha, do Distrito Federal e brasileiros no exterior, que não votam nesta eleição.

As mulheres representam 52,49% do eleitorado, somando 77.649.569.

Barroso também apresentou o perfil do eleitorado apto a votar neste ano. Ao todo, são 147.918.483 eleitores, um aumento de 2,66% em relação às eleições de 2016, quando eram 144.088.912. O número não considera eleitores de Fernando de Noronha, do Distrito Federal e brasileiros no exterior, que não votam nesta eleição.

A maioria é formada por mulheres. Elas representam 52,49% do total, somando 77.649.569. Homens somam 70.228.457 eleitores, sendo 47,48% do total. Outros 40.457 eleitores não informaram o gênero ao qual se identificam, representando 0,03% do eleitorado brasileiro.