Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Vaza Jato: Deltan usou fama da operação para lucrar

Equipe BR Político

A nova leva de supostas conversas entre procuradores da Lava Jato, publicada neste domingo, 14, pela Folha em parceria com o site The Intercept Brasil indica que o procurador Deltan Dallagnol, chefe da Operação Lava Jato de Curitiba, montou plano e tentou criar uma empresa no nome da esposa para lucrar com fama da Lava Jato. Em uma conversa com a esposa, Deltan justificou a ideia: “Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade”, escreveu. As novas revelações vêm à tona um dia depois do Estadão publicar uma entrevista com o chefe da Lava Jato em que ele afirma, entre outras coisas, “não ter receio” de depor no Congresso. A hashtag #acabouDeltan foi o assunto mais comentado no Twitter na manhã de hoje.

A partir das conversas analisadas, a reportagem destaca o repetitivo interesse que Deltan mostrava quanto ao valor de cada palestra. “Se tudo der certo nas palestras, vai entrar ainda uns 100k (R$ 100 mil) limpos até o fim do ano. Total líquido das palestras e livros daria uns 400k (R$ 400 mil). Total de 40 aulas/palestras. Média de 10k limpo”, disse o procurador à esposa. Caso tenha atingido a meta de faturamento líquido de R$ 400 mil em 2018, essa remuneração pode ter superado a soma dos salários de Deltan como procurador da República naquele ano, aponta a reportagem. Em nota, Deltan afirmou que realiza palestras para promover a cidadania e o combate à corrupção e que esse trabalho ocorre de maneira compatível com a atuação no Ministério Público Federal.