Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Vice-presidente e marqueteiro do Aliança entre os alvos da PF

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Dois integrantes do partido Aliança pelo Brasil, que o presidente Jair Bolsonaro tenta tirar do papel, estão entre os alvos da Operação Lume, deflagrada nesta terça, 16, no âmbito do inquérito sobre a organização de atos antidemocráticos aberto no Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo vice-presidente do Aliança, o empresário Luís Fernando Belmonte auxiliou na organização de ao menos um dos atos antidemocráticos realizados em Brasília, com defesa do fechamento do Congresso e do STF. Em maio, Belmonte disse que não colocara nenhum centavo no evento do dia 3 daquele mês, que prestou ajuda apenas como cidadão, e não como representante do partido. Homem de confiança de Bolsonaro, o empresário foi responsável por pagar o auditório escolhido para o ato de fundação do novo partido, em novembro do ano passado. Ele é casado com a deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF) e é suplente do senador Izalci Lucas (PSDB-DF).

Luis Felipe Belmonte, vice-presidente do Aliança, partido do Bolsonaro

Luis Felipe Belmonte, vice-presidente do Aliança, partido do Bolsonaro Foto: Werther Santana/Estadão

Antes de se tornar operador político do Aliança, Belmonte foi filiado ao PSDB, fez doações para legendas de esquerda, como PCdoB, e atuou como advogado do empresário Luiz Estevão, que cumpre uma pena de 26 anos por fraudes na construção do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo.

O segundo nome ligado ao partido em construção é Sérgio Lima, marqueteiro do Aliança. Lima foi uma das pessoas que estiveram presentes na comitiva do presidente Jair Bolsonaro nos Estados Unidos em março deste ano, e foi uma das mais de 20 pessoas que testaram positivo para o novo coronavírus após a viagem. Antes da pandemia, Serginho, como é conhecido entre governistas, vinha sendo incentivado por bolsonaristas a disputar a Prefeitura de SP.

Segundo matéria publicada pelo jornal O Globo, Lima, mineiro que não cursou faculdade e se diz autodidata, foi o responsável pela identidade visual do partido Aliança pelo Brasil, e também pela criação do site da legenda.