Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Greenpeace: Vídeo de queimada é ‘suja tentativa do governo de desviar atenção’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Integrantes do governo, incluindo o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o vice-presidente Hamilton Mourão, fizeram alarde junto à militância bolsonarista nas redes sociais nesta quinta-feira, 10, com um vídeo produzido pela Associação de Criadores do Pará (AcriPará), que reúne pecuaristas do Estado, negando que a Amazônia esteja queimando. “Recebi este vídeo, ‘Amazônia não está queimando’ …”, escreveu Salles no Twitter. Horas depois, a ONG ambiental Greenpeace criticou o movimento e classificou como “suja tentativa do governo de tentar desviar a atenção do que está acontecendo.”

“Enquanto o governo perde seu tempo propagando vídeos fakes nas redes sociais, 3 biomas brasileiros estão sofrendo com recordes de queimadas”, afirmou o porta-voz da campanha de Amazônia da organização Rômulo Batista. “Talvez o Ministro e o vice-presidente não estejam sendo sufocados pela fumaça em Brasília, porém, essa não é a realidade de cidades da Amazônia como Belém, Porto Velho e Rio Branco”, continuou. 

O vídeo de 1 minuto e 38 segundos de duração tem narração em inglês e legendas em português dizendo que a Amazônia não queima novamente e que 5% dos agricultores da região utilizam queimadas para limpar o terreno usado na produção de alimentos. A peça mostra inclusive imagens de um mico-leão-dourado, animal só encontrado na Mata Atlântica. Questionado sobre o assunto hoje, Mourão respondeu que “aquilo é uma integração Amazônia-Mata Atlântica”, mas o próprio presidente da AcriPará admitiu que o uso do mico-leão-dourado no vídeo foi uma “gafe”. Os compartilhamentos do vídeo fomentaram a hashtag que ficou entre as mais utilizadas no Twitter durante parte do dia #StopFakeNewsAboutAmazon.

Mais cedo, a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva também criticou a iniciativa: “O governo insiste em esconder o problema ambiental com propaganda mal feita, no lugar de resolvê-lo. A triste e revoltante realidade é que a Amazônia e o Pantanal estão em chamas”, escreveu no Twitter. 

Confira a nota do Greenpeace sobre a publicação:

“Enquanto o governo perde seu tempo propagando vídeos fakes nas redes sociais, 3 biomas brasileiros estão sofrendo com recordes de queimadas. Somente na Amazônia, foram quase 30 mil focos de calor em agosto e já são 10.797 nos primeiros 8 dias de setembro, um aumento de 118% em relação ao mesmo período do ano passado. Considerando o problema que o satélite AQUA, referência utilizado pelo INPE como número oficial para as queimadas, está apresentando, esses números devem ser ainda maiores. No Pantanal, a situação é desesperadora. Na primeira semana  de setembro foram de 1.889 incêndios. Em todo o mês de setembro de 2019 ocorreram 2.800 incêndios. As queimadas destroem os biomas e colocam em risco a biodiversidade e o clima. Com sua política antiambiental, o governo escolhe ignorar, também, que esses incêndios são criminosos e ilegais. 

Talvez o Ministro e o vice presidente não estejam sendo sufocados pela fumaça em Brasília, porém, essa não é a realidade de cidades da Amazônia como Belém, Porto Velho e Rio Branco. Com a pandemia, os hospitais no interior da Amazônia já estão sobrecarregados e as queimadas provocam fuligem e fumaça, que também atacam o sistema respiratório, agravando ainda mais a crise sanitária. É suja a tentativa do governo de tentar desviar a atenção do que está acontecendo, ainda mais utilizando imagens sem autorização dos que produziram e dos que têm o direito de uso da imagem.”