Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Wassef fala e manda recado ao presidente

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Frederick Wassef quebrou o silêncio que vinha mantendo desde que Fabrício Queiroz, ex-assessor de seu cliente Flávio Bolsonaro, foi preso no sítio em Atibaia de propriedade do advogado.

Foram duas entrevistas: uma à Folha e outra à CNN Brasil. Ao jornal, Wassef negou que seja ele o “Anjo”, codinome citado por Fabrício Queiroz e familiares em comunicações entre eles e que ajudou a batizar a operação que resultou na prisão do ex-faz-tudo do gabinete de Flávio.

“Não sou o Anjo”, disse ele à Folha. “Nunca telefonei para Queiroz, nunca troquei mensagem com Queiroz nem com ninguém de sua família. Isso é uma armação para incriminar o presidente”, declarou. A quebra de sigilos do ex-assessor pode complicar Wassef caso sejam encontradas mensagens entre eles, o que não é nada improvável, uma vez que o ex-assessor e vários de seus familiares frequentaram o sítio de Atibaia ao longo de vários meses.

Ele, que insiste em dizer que o imóvel não era um sítio, mas um escritório de sua propriedade, disse que “em breve” dará detalhes sobre como o assessor foi parar lá, e negou que ele tenha ficado no local por quase um ano.

O tom da entrevista à CNN Brasil foi menos evasivo e mais preocupante para o clã Bolsonaro, sobretudo para o presidente, de quem Wassef também é advogado.

Ele afirmou que é alvo de uma “armação” para atingir Bolsonaro, porque ele e o presidente se tornaram “uma pessoa só”. “e fizerem, se fizerem, eu sei que estão fazendo isso pra tentar me incriminar, pra tentar aprontar uma pra mim, porque todos estão convictos hoje de que o Fred virou o alvo. Se bater no Fred atinge o presidente, eu e o presidente viramos uma pessoa só, então todos estão empenhados em atingir minha vida, em destruir minha vida, minha imagem, minha reputação. Mas vão cair do cavalo, que eu nunca fiz nada de errado na vida. Tá claro isso?”.

Wassef usou a entrevista para preparar o álibi de que plantaram evidências contra ele na casa, que, de acordo com ele, estaria vazia. Disse que “se aparecer” algo contra ele é armação, mas de novo não respondeu quando questionado como e por que Queiroz foi parar em seu imóvel.