por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Weintraub: ‘Autonomia não é soberania’

O ministro Abraham Weintraub (Educação) usa a Economia, sua área de formação, para defender que é necessário estabelecer prioridades para os gastos públicos, uma vez que os recursos são limitados. Para ele, o Estado tem de fazer essa escolha com base em dados, produtividade e capacidade de geração de bem-estar para a sociedade.

Weintraub nega que a definição sobre prioridades de gastos em Educação atenda a um viés ideológico e lembra que desde o programa de governo de Jair Bolsonaro, que ele ajudou a coordenar, estão estabelecidas premissas como priorizar a Educação Básica e que “o objetivo principal da Educação é atender à economia e formar um bom profissional”. Questionado pelo BR18 se priorizar áreas de conhecimento em detrimento de outros para a alocação de recursos não fere a autonomia universitária, prevista no artigo 207 da Constituição, disse que “autonomia universitária não é soberania universitária”. “O que está dentro da lei será rigorosamente cumprido. O que não está estabelecido em lei será definido como política pública com base no programa de governo.”/ Vera Magalhães