Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Xi Jinping antagoniza com Trump e diz não querer ‘guerra quente ou fria’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Em um discurso completamente oposto ao de Donald Trump, o presidente da China, Xi Jinping, tentou emitir um tom apaziguador na abertura da Assembléia-Geral da ONU nesta terça-feira, 22. Enquanto o presidente americano falava em uma “nova forma” de se fazer política internacional que colocaria cada país à frente nas prioridades dos governantes, o líder chinês falou em cooperação internacional, inclusão e multilateralismo.

O presidente da China, Xi Jinping, em discurso transmitido virtualmente nas Nações Unidas Foto: EFE/EPA/Eskinder Debebe/UN Photo

“A covid-19 nos lembra que vivemos em uma aldeia global interconectada com uma estaca comum. Todos os países estão conectados e compartilhamos um futuro comum. Nenhum país pode ganhar com as dificuldades de outros ou manter estabilidade tirando vantagem dos problemas alheios”, disse o presidente chinês. “Devemos rejeitar tentativas de construir blocos para manter outros de fora e nos opormos a uma abordagem de ‘soma zero’. Devemos ver uns aos outros como membros da mesma grande família, buscar uma corporação de ganhos de ambos os lados, estar acima de disputas ideológicas e não cair na armadilha de choque de civilizações”, continuou.

Em discurso anterior ao do presidente chinês, Trump dedicou grande parte de sua fala a atacar a China, pediu que a ONU responsabilize o país por “soltar uma praga no mundo” e reforçou sua visão individualista da política internacional. “Por décadas as mesmas vozes cansadas têm proposto as mesmas soluções falhas, procurando ambições globais às custas de sua própria população”, disse Trump. “Como presidente eu rejeitei as abordagens falhas do passado e estou orgulhosamente colocando a América primeiro, assim como vocês deveriam estar colocando os seus países primeiro.”

Xi Jinping afirmou que nunca buscará “hegemonia, expansão ou influência”. “Não temos nenhuma intenção de lutar em uma guerra fria ou quente com nenhum país”, disse. O presidente chinês afirmou que é necessário se preocupar com países em desenvolvimento, principalmente com países africanos. “A comunidade internacional precisa tomar medidas imediatas e robustas como alívio de dívidas e assistência internacional, garantir a implementação da agenda 2030 de desenvolvimento sustentável e ajudar esses países a superar suas dificuldades.”