Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

XP: Popularidade e expectativa positiva com o governo em queda

Equipe BR Político

O primeiro ano de mandato do presidente Jair Bolsonaro gerou um saldo negativo de popularidade para o chefe do Executivo, de acordo com pesquisa da XP Investimentos. Em janeiro de 2020, a expectativa positiva para o restante do mandato do presidente caiu 23 pontos porcentuais em relação a janeiro de 2019 e atingiu o menor nível desde o início da série, em novembro de 2018 — 40% disseram ter expectativa boa ou ótima para os próximos anos. A avaliação do governo do presidente também chegou ao menor nível registrado desde seu início, de acordo com pesquisa divulgada na sexta-feira, 17. 

Segundo o levantamento, 32% avaliaram a administração federal em janeiro como ótima ou boa (contra 35% em dezembro). Desde a segunda metade de maio de 2019, a porcentagem que avaliava o governo como ruim ou péssimo ultrapassou a que avaliava positivamente. Em janeiro, essa parcela ficou estável, em 39% dos entrevistados, mesmo porcentual de dezembro. Em janeiro de 2019, era 20% que avaliavam negativamente o governo.

Apesar da queda durante o ano, a variação entre dezembro e janeiro, de 3 pontos porcentuais, está dentro da margem de erro de 3,2 pontos. O levantamento teve abrangência nacional e ouviu mil entrevistados, por telefone, entre segunda 13, e quarta-feira,15.

Congresso

A pesquisa também perguntou aos entrevistados sobre a sua avaliação do Congresso Nacional, que se manteve negativa durante 2019, mas ainda melhor do que no final de 2018. Em janeiro, 45% dos entrevistados consideram o Congresso como ruim ou péssimo, contra 37% no mês em 2019 e 44% em dezembro. Já a avaliação positiva do Congresso é a pior da atual legislatura. Apenas 9% consideram ótimo e bom em janeiro, ante 13% em dezembro e 17% em janeiro de 2019. 

Corrupção

A perspectiva da corrupção pelos entrevistados pela pesquisa para os próximos seis meses ficou dividida. 32% afirmaram que a corrupção aumentará ou aumentará muito, o mesmo porcentual dos que acreditam que ficará como está. E 30% esperam que ela diminuirá ou diminuirá muito.