Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Zambelli: ‘Se tivesse informação privilegiada, a operação de hoje teria outro nome’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) usou o Twitter na manhã desta terça-feira, 26, para dizer que se tivesse informações privilegiadas sobre operações da Polícia Federal, a ação de hoje, que teve o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), como alvo teria outro nome. Em entrevista à CNN, a parlamentar negou que tenha sido informada antecipadamente sobre a operação.

A deputada Carla Zambelli

A deputada Carla Zambelli Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

“Se eu tivesse informações privilegiadas e relações promíscuas com a PF, a operação de hoje seria chamada de ‘Estrume’ e não ‘Placebo'”, disse. O comentário de Zambelli foi uma referência ao modo como o presidente Jair Bolsonaro se referiu a Witzel durante a reunião ministerial do dia 22 de abril.

A mensagem da parlamentar uma resposta a uma mensagem da deputada Talíria Petrone (Psol-RJ), que classificou como “grave”a possibilidade da parlamentar bolsonarista ter tido acesso a informações da PF sobre operação contra governadores.

Vazamento de informações

Ontem, em entrevista à Rádio Gaúcha, a deputada Zambelli demonstrou ter informações privilegiadas sobre investigações da Polícia Federal, ao adiantar que a PF estava prestes a deflagrar operações para investigar irregularidades cometidas por governadores durante a pandemia.

“A gente já teve algumas operações da Polícia Federal que estavam ali, na agulha, para sair, mas não saíam. E a gente deve ter, nos próximos meses, o que a gente vai chamar, talvez, de ‘Covidão’ ou de… não sei qual vai ser o nome que eles vão dar… mas já tem alguns governadores sendo investigados pela Polícia Federal”, disse a parlamentar.

À CNN, Zambelli afirmou que a fala feita ontem foi uma “feliz coincidência”, que ela espera que aconteça também em outros Estados.